Catálogo de Exames em Radiologia Odontológica e Documentações Ortodônticas 

Porque pedir um exame radiográfico?

O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas radiográficas e que são utilizadas em função do que se pretende avaliar na arcada dentária do paciente. Para que o exame radiográfico sempre traga o máximo de informações com o mínimo de radiação para o seu paciente, escolha criteriosamente qual (is) o(s) exame(s) que mais irá (ão) auxiliá-lo. 

O Laudo Radiográfico é de extrema importância, pois auxilia o Dentista a obter um diagnóstico mais preciso. O Radiologista que emite o Laudo está habilitado a identificar algumas alterações e patologias que são assintomáticas e de extrema agressividade. Apesar de ser imprescindível, a solicitação de um exame radiográfico para o início ou acompanhamento de um tratamento, não se deve esquecer, no entanto que ele se constitui num meio auxiliar de diagnóstico, tendo por sua vez limitações que podem ser minimizadas quando há uma boa escolha do exame para cada caso. 

A Odonto Imagem está habilitada a lhe prestar o melhor serviço radiográfico. Nossos profissionais estão aptos a atender ao seu paciente com muita dedicação, assim como lhe fornecer o mais completo diagnóstico radiográfico, através de nossos modernos equipamentos.

1. Técnicas radiográficas intra-orais

São as tomadas radiográficas na qual o filme é colocado no interior da cavidade oral para a obtenção da radiografia. 

Para se obter uma radiografia de boa qualidade o profissional deve conhecer o funcionamento dos aparelhos de Raios X, o posicionamento da cabeça do paciente para cada técnica, os ângulos de incidência do feixe de Raios X para cada região radiografada e a dimensão e especificação dos filmes utilizados. 

Abordaremos a tomada da radiografia sem levar em consideração à especificação do aparelho bem como sua parte física.

:: Técnicas Periapicais

1.1 Bissetriz

Técnica na qual o feixe de Raios X deve incidir perpendicularmente a bissetriz do ângulo formado entre o filme e o dente. 

1.2 Paralelismo: 

Técnica na qual o feixe de Raios X deve incidir perpendicularmente ao filme e ao longo do eixo dos dentes. Para isso são utilizados posicionadores para manter o filme paralelo ao longo do eixo do dente. 


As Radiografias Periapicais permitem visualizar o dente (coroa e raiz), periápice radicular e tecido ósseo adjacente. Nas Radiografias Periapicais Milimetradas, utiliza-se uma película com grade superposta ao filme periapical, o que possibilita a realização de medições. 

1.3 Técnica Interproximal (Bite Wing). 



Também conhecida como técnica bite-wing, por utilizar um filme provido de uma asa de mordida. As Radiografias Interproximais ou Bite Wings permitem uma melhor observação das faces Mesial e Distal dos molares e pré-molares, e de suas cristas ósseas marginais. Auxilia no diagnóstico de cáries e adaptações cervicais de restaurações proximais. 

1.4 Técnica Oclusal 

Geralmente é indicada como um exame complementar aos achados obtidos quando do emprego das técnicas periapicais. A Radiografia Oclusal além de permitir uma melhor verificação dos tecidos ósseos das arcadas e da localização Vestibular/Palato, pode ser utilizada no estudo de fraturas dos maxilares, na pesquisa de sialolitos nos condutos de Wharton, nas mensurações ortodônticas para determinação e controle do tamanho dos maxilares e no estudo de fendas palatinas.Elas se prestam a detectar supranumerários, corpos estranhos, lesões císticas, etc.. 


Em casos dúbios, o recurso da tomografia, com equipamento controlado por computador, oferece resultados mais auspiciosos, uma vez que as imagens condizem com a anatomia da região de interesse, facilitando a interpretação. 

Existe particularmente quanto às oclusais, uma indicação ligada a cálculos das glândulas submandibulares. 


Para tanto se faz tomada oclusal, com subexposição, ou adota-se o uso de filme duplo, com a segunda película processada com um tempo menor, para maior realce do sialolito. Quanto às parótidas, optamos direto pela sialografia. 

Ainda com uso dos filmes intra bucais, executamos também procedimentos para localização de dentes inclusos, corpos estranhos, supranumerários, visando à orientação do profissional quanto ao ato cirúrgico. 

Na arcada superior, por exemplo, executamos a técnica de Clark, que consiste em duas tomadas radiográficas com variação de angulação horizontal, facilitando a visualização do supranumerário, por vestibular ou palatino, através da aplicação do efeito paralático. 


Para a mandíbula, usamos dois procedimentos distintos: um especificamente para a região dos terceiros molares (inclusos e impactados/semi impactados) e o outro para as demais regiões. Trata-se das técnicas de Margareth Donovan e de Miller-Winter respectivamente. Tais procedimentos são obtidos através de duas tomadas em ângulo reto, ou seja, uma periapical convencional e outra usando o filme periapical, só que com incidência oclusal (a de Donovan, a oclusal é feita com o paciente de boca aberta, ao passo que na de Miller-Winter, o filme é mantido na boca através da oclusão). Os procedimentos para mandíbula, nos permitem uma visualização direta da localização do incluso ou supranumerário. 

2. Técnicas radiográficas extra-orais

São utilizadas quando necessitamos de uma exploração radiológica mais ampla, que inclua regiões anatômicas maiores e quando os pacientes não apresentam as condições mínimas necessárias para um procedimento intra - oral tais como: trismos, náuseas, politraumatismos. Os exames extra-orais são capazes de proporcionar um estudo radiográfico completo da região crânio-facial quando empregado corretamente. 

2.1 Panorâmica

Esta técnica é de fácil procedimento e baixa dose de radiação estando indicada para pacientes desde pequena faixa etária. 

Nesta incidência observa-se: 

*dentes presentes: presença de cáries extensas, próteses, endodontias, processos patológicos no periapice; 

*germes dentais: presença, grau de desenvolvimento, posicionamento, relação com dente decíduo, presença de patologia do folículo; 

*3ºs molares: presença posicionamento, patologia do folículo; 

*característica do trabeculado ósseo da maxila e mandíbula; 

*presença de reabsorções ósseas alveolares; 

*posicionamento do assoalho do seio maxilar, fossa nasal, condutos mandibulares e forames mentonianos com finalidade de implantes; 

*pesquisa de raízes residuais, fraturas ósseas, patologias; 

*acompanhamento de tratamentos cirúrgicos, ortodônticos; 




A Odonto Imagem dispõe do moderno ORTOFHOS 3 C Siemens, aparelho Panorâmico imprescindível para obtenção de imagens de altíssima qualidade. 

2.2. Aparelho Panorâmico Ortofhos 3 c Siemens.

A tabela abaixo demonstra todas as incidências radiográficas panorâmicas, que nosso equipamento extrabucal contempla. 

 Programa 1 Radiografia Panorâmica padrão. 
 Programa 2 Radiografia Panorâmica normal, mas reduzida à região dentária sem os ramos ascendentes. 
 Programa 3 Seios Maxilares, em apresentação dupla em uma só película. 
 Programa 4 Articulações Temporo-Mandibulares em projeção lateral, ramos ascendentes. 
 Programa 5 Articulações Temporo-Mandibulares em projeção postero-anterior 
 Programa 6 Articulações Temporo-Mandibulares em projeção lateral com a boca aberta e fechada em uma só película. 
 Programa 7 Articulações Temporo-Mandibulares em projeção postero-anterior com a boca aberta e fechada em uma só Película. 
 Programa 8 Cortes das Articulações Temporo-Mandibulares em projeção lateral. 
 Programa 9 Cortes das Articulações Temporo-Mandibulares em projeção postero-anterior. 
 Programa 10 Radiografia Panorâmica normal para crianças com considerável redução de dose. 
 Programa 11 Radiografia Panorâmica normal com distorção constante de 25%, indicada para mediçõesde implante. 
 Programa 12 Tomografia dos dentes incisivos. 
 Programa 13 Seios paranasais. 
 Programa 14 Radiografia Panorâmica da metade esquerda para redução da dose em radiografias de Controle. 
 Programa 15 Radiografia Panorâmica da metade direita para redução da dose em radiografias de controle. 
 Programa 16 Cortes dos dentes molares. 

2.3 Cefalométricas

Para as Cefalométricas, ou Telerradiografias de Perfil, utiliza-se um cefalostato que mantém a cabeça do paciente numa posição determinada, o que permite se obter radiografias padronizadas em diferentes épocas. O plano sagital mediano deve estar perpendicular ao plano horizontal, e o plano de Frankfurt paralelo ao plano horizontal. 


A Radiografia Cefalométrica é utilizada para fazer mensurações lineares ou angulares através de traçados cefalométricos para estudo das possíveis alterações ósseas e/ou dentárias, tendo sua maior aplicação na Ortodontia e na Cirurgia Ortognática. Utilizam-se também essas radiografias para verificar a região de adenóides e oro faringe. 

2.3.1 Sub mento vértice de Hirtz (axial de Hirtz)

Têm-se observado ultimamente, que a moderna ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares, incluem em seus exames, tomadas para as articulações têmporo mandibulares, em norma axial, ou seja, a sub mento vértice de Hirtz. Tradicionalmente, observam-se as regiões da ATM, em norma lateral, sendo que nesta incidência têm-se uma projeção ínfero-superior. Com a incidência de Hirtz, os côndilos serão observados através da projeção látero/lateral, possibilitando a visão tri-dimensional. 




2.3.2 ATM (Articulações Temporo-Mandibulares)

As Radiografias de ATM (Articulações Temporo-Mandibulares) são utilizadas para a verificação da parte óssea da ATM, auxiliando no diagnóstico de disfunções da ATM. Normalmente era requisitada em três posições: Oclusão, Repouso e Abertura Máxima da boca. Estudos concluíram que as posições de Oclusão e Repouso são muito semelhantes em termos de diagnóstico, por essa razão, com o intuito de minimizar a dose para o paciente, recomendam-se a requisição apenas das posições Oclusão e Abertura Máxima da boca. 

2.3.3 P. A (incidência póstero-anterior)

As Radiografias PA (Postero Anterior) são utilizadas para uma melhor análise dos seguintes aspectos: 

 P.A Mento Naso ou Waters - Utilizada para a melhor verificação de Seios Maxilares. 
 P.A Fronto Naso ou Towne Reversa -Utilizada para a melhor verificação da Mandíbula. 
 P.A de Caldwell - Utilizada para a verificação frontal da face. Pode ser feito um traçado cefalométrico para estudo das possíveis alterações ósseas e/ou dentárias. 

2.3.4 Índice Carpal (Punho e Mão)

Nesta incidência visualiza-se os centros de crescimento da mão e punho, os quais servem como indicadores do estágio de desenvolvimento da criança. 


O estudo da Curva de Crescimento auxilia na determinação da época do Surto de Crescimento. 

3. Indicações por especialidades 

ESPECIALIDADES INDICAÇÕES 

 Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais Extra Orais 
 Dentística Restauradora Periapicais e Panorâmica 
 Endodontia Periapicais(Técnica Paralelismo/milimetrada) 
 Odontologia Legal Intra e Extra orais 
 Odontopediatria Panorâmica com Complementação 
 Ortodontia Documentação Ortodôntica 
 Patologia Bucal Periapicais, Panorâmica, Oclusais. 
 Periodontia Periapicais (Técnica Paralelismo/milimetrada) 
 Prótese Buco-Maxilo-Facial Extra Orais 
 Prótese Dentária Periapicais 
 Implantodologia Panorâmicas para Implante e periapicais 
 Estomatologia Periapicais e Panorâmica 

4. Indicações por tipo de paciente

Na indicação das radiografias a serem realizadas em seus pacientes, o Dentista deve sempre ter em mente que as radiografias indicadas devem trazer o maior número de informações, com a menor dose de radiação e o menor custo. Segue exemplos dos casos mais comuns de pacientes no consultório. 

4.1 Caso 1: Paciente adulto com poucas restaurações

INDICAÇÃO: Panorâmica com Complementação. 

MOTIVO: Visão global das arcadas de um côndilo ao outro e ossos do complexo Buco Maxilo e verificação de possíveis cáries interproximais, se houver necessidade, complementar depois com periapicais isoladas. Complementar periodicamente com radiografias intrabucais. 

4.2 Caso 2: Paciente adulto com muitas restaurações

INDICAÇÃO: Panorâmica e Periapical Completo. 

MOTIVO: Visão global das arcadas de um côndilo ao outro e ossos do complexo Buco Maxilo e análise de todos os dentes e tratamentos realizados assim como região periapical dos mesmos. Preservar periodicamente com Periapical Completo. 

4.3 Caso 3: Paciente adulto desdentado


INDICAÇÃO: Panorâmica 

MOTIVO: Visão global das arcadas de um côndilo ao outro e dos ossos do complexo Buco Maxilo, verificação de possíveis patologias, remanescentes dentários, proximidades dos acidentes anatômicos com rebordo alveolar. Posteriormente complementação com radiografias periapicais em região que apresente pontos de interesse. 

4.4 Caso 4: Paciente criança

INDICAÇÃO: Panorâmica com complementação. 

MOTIVO: Visão global das arcadas de um côndilo ao outro e ossos do complexo Buco Maxilo e verificação de possíveis cáries interproximais, se houver necessidade, complementar depois com periapicais isoladas. Complementar periodicamente com radiografias complementares. 

4.5 Caso 5: Paciente criança para tratamento ortodôntico

INDICAÇÃO: Documentação Ortodôntica (Panorâmica com complementação, Perfil com traçado, Modelos e Fotos). 

MOTIVO: Visão global das arcadas de um côndilo ao outro e ossos do complexo Buco Maxilo e verificação de possíveis cáries interproximais, se houver necessidade, complementar depois com periapicais isoladas. Análise cefalométrica do crânio do paciente. Modelos de estudo para melhor verificação das arcadas. Fotos para documentação. 

As demais radiografias oferecidas serão indicadas para casos específicos e não de rotina, tais como: Oclusais, ATM, Periapicais isolados etc.. 

Lembre o seu paciente que: 

“A dose utilizada num exame periapical equivale a 2 horas de exposição ao sol’”. 

Em caso de dúvida quanto à solicitação de Exames Radiográficos, entre em contato conosco. Nossos profissionais estão qualificados para auxiliá-lo na escolha do exame mais indicado para o seu paciente.



EPAO 2136